img_blog

A infância é um período repleto de aprendizados e descobrimentos, uma fase marcada pelo grande desenvolvimento físico, especialmente nos primeiros três anos de vida. Mas, trata-se também de um período onde o ser humano desenvolve-se psicologicamente, trazendo mudanças graduais no comportamento da criança e na formação das bases da sua personalidade. Ainda no período da primeira infância (de 0 a 5 anos), os pequenos começam a desenvolver alguns papéis básicos de responsabilidade e independência, o que irá prepara-los para os próximos estágios da infância e anos iniciais na escola. Os três últimos anos da primeira infância são marcados pela melhora na percepção do mundo, ajudando na compreensão de que suas ações podem afetar as pessoas a sua volta.

Pressa para crescer?

Para que o desenvolvimento dos pequenos seja pleno e saudável, é necessário respeitar esse período de descobrimento, observação e experiências. Proporcionar um espaço para que se conheçam, investiguem os seus interesses, capacidades e emoções é fundamental. Por isso, essa fase não deve ser encurtada ou ignorada. Quando as crianças são privadas desses momentos de desenvolvimento, seu potencial é encurtado e, com isso, a sensibilidade e a criatividade perdem espaço.

O contato com a natureza pode fazer total diferença neste período. A interação com o meio ambiente estimula o uso de todos os sentidos das crianças, contribuindo para que elas tenham mais autonomia e atitude. As brincadeiras com elementos naturais devem ser mais frequentes, pois contribuem para o desenvolvimento da coordenação, equilíbrio e agilidade. Por outro lado, o contato excessivo com jogos e mídias digitais traz um impacto negativo para o desenvolvimento físico, emocional e social dos pequenos. Portanto, é importante que o tempo com essas atividades seja limitado e que haja sempre o acompanhamento de um adulto.

O papel dos pais

Fica claro que os pais têm papel fundamental no período da infância e que são verdadeiros exemplos para os pequenos. Sabemos também que ser pai ou mãe não é uma tarefa fácil, mas o comprometimento deve ser grande. Alguns estudos comprovam que 80% do desenvolvimento do cérebro infantil se dá ainda nos primeiros três anos de vida. Ou seja, é necessário que os pais estejam bem próximos. Mesmo em meio a tantas tecnologias novas e atividades, o afeto ainda é o caminho mais eficaz para o desenvolvimento dos pequenos.

Abraçar mais, maximizar o amor e minimizar o estresse contribuirá para que a criança se sinta mais protegida e segura. Os pais também devem conectar-se com os pequenos, estimular o movimento e as brincadeiras. Estimular a leitura e a criação de histórias desde cedo trará bons resultados, mesmo quando parecer que eles não estão compreendendo.

Brincar é coisa séria!

As crianças devem ter vivências afetivamente significativas no mundo real. Por isso, o tempo livre deve ser valorizado e garantido. Abrir mão dos momentos de diversão pode trazer consequências graves para os pequenos. Além disso, a criação de vínculos afetivos fortes, proporciona a segurança que a criança precisa para ter um desenvolvimento saudável, e se preparar para enfrentar as situações do dia a dia.

Atualizado em 17/10/2016

Sem comentário