imagem_blog_amamente_1200x500

A primeira infância (0 a 5 anos) é o período-base para os aprendizados e o desenvolvimento da uma criança. Por isso, a relação dos pequenos com os seus pais (biológicos ou adotivos) nos primeiros anos de vida pode ser determinante para um bom desenvolvimento do cérebro. E enganam-se aqueles que pensam que a maior parte dessa responsabilidade esteja concentrada apenas na mãe. A figura paterna também carrega o peso de ser protagonista na vida dos filhos ainda quando pequenos. Vamos entender melhor.

 

A primeira infância

Segundo estudos realizados pela Escola de Medicina de Harvard, boa parte dos distúrbios psicológicos e comportamentais constatados em adolescentes e adultos é consequência da falta de atenção durante o período da primeira infância. Problemas com relacionamentos sociais, déficit de atenção, síndromes similares ao autismo e déficit de crescimento fazem parte dessa lista de distúrbios.

O mesmo estudo também aponta que o cérebro do bebê é menos maduro e, por isso, acaba sendo muito afetado pelas características marcantes de um ambiente. Como a quantidade de luz e a linguagem utilizada, por exemplo. O cuidado, o carinho e a atenção ainda são os maiores responsáveis pelo desenvolvimento da criança, independentemente da situação socioeconômica da família.

O papel do pai

O pai é o primeiro “outro” que a criança encontra fora do ventre de sua mãe, tornando-se ele uma “não-mãe” e dando forma a tudo que não vem dela. A interação entre pai e bebê é um dos fatores decisivos para o desenvolvimento cognitivo e social, que facilitará ou não a integração da criança na sociedade. Por isso, o papel do homem deve deixar de ser apenas de ajudante para se tornar também um protagonista para tudo que envolve o bebê. Há ainda estudos que revelam que a presença carinhosa do pai desde a primeira infância contribui para o desenvolvimento intelectual, das habilidades verbais e o desempenho acadêmico na adolescência.

É fundamental que o homem tenha consciência da importância da sua presença e que assuma a responsabilidade de viver momentos com o seu pequeno. A mudança dessa cultura  já ocorre em muitos lares espalhados pelo mundo. A exemplo das mulheres, alguns homens deixam suas profissões para se dedicarem, exclusivamente, ao cuidado das crianças. Os pequenos são imensamente beneficiados com escolhas como essas.

A criação de um vínculo com os bebês é a parte mais importante dessa relação. Até mesmo os momentos de descontração têm a sua importância no desenvolvimento dos pequenos. A partir dessas interações, as crianças aprendem a controlar sentimentos e comportamentos. Afinal de contas, mães e pais brincam de maneiras diferentes. E é importante que essa diferença exista, pois a criança precisa dos dois.

Atualizado em 01/07/2016

Sem comentário